Real JoBelo

Archive for maio \29\UTC 2010|Monthly archive page

Resumo da 4ª rodada

In Brasileirão 2010 on 29 de maio de 2010 at 23:04

Inexplicavelmente, a rodada do meio de semana reservava os dois primeiros grandes clássicos do campeonato.

No Morumbi, assim como no Maracanã, as arquibancadas estiveram longe da lotação máxima. Melhor para os tricolores que presenciaram as boas vitórias de seus times sobre os rivais. O São Paulo bateu o Palmeiras e o Flu venceu o Fla, com show de Conca e gol do goleiro Bruno.

Destaque também para o show de gols no Barradão e para o primeiro ponto conquistado pelo Goiás.

A rodada teve média de 2,3 gols por partida e deixou a classificação assim:

Corinthians – 10 pontos

Santos – 8

Cruzeiro – 8

Ceará – 8

Avaí – 7

Botafogo – 7

São Paulo – 7

Palmeiras – 7

Fluminense – 6

Atlético-MG – 6

Flamengo – 5

Guarani – 5

Grêmio – 4

Vitória – 4

Atlético-PR – 4

Vasco – 4

Grêmio Prudente – 4

Internacional – 3

Atlético-GO – 1

Goiás – 1

Quarta-feira, 26 de maio

VITÓRIA 4×3 ATLÉTICO-MG – Barradão

GOLS: Schwenck (3) e Evandro (Vit); Muriqui, Ricardinho e Diego Tardelli (CAM)

GRÊMIO 3×0 AVAÍ – Olímpico

GOLS: Jonas (2) e Fábio Rockemback

FLUMINENSE 2×1 FLAMENGO – Maracanã

GOLS: Rodriguinho e Conca (Flu); Bruno (Fla)

SÃO PAULO 1×0 PALMEIRAS – Maracanã

GOL: Fernandão

GRÊMIO PRUDENTE 2×2 CORINTHIANS – Prudentão

GOLS: Wanderley e Diego (Grê); William e Bruno César (Cor)

SANTOS 3×1 GUARANI – Vila Belmiro

GOLS: Neymar, Marcel e André (San); Baiano (Gua)

CRUZEIRO 1×0 BOTAFOGO – Mineirão

GOL: Thiago Ribeiro

Quinta-feira, 27 de maio

VASCO 3×2 INTERNACIONAL – São Januário

GOLS: Andrezinho (2) para o Inter; Elton, Philippe Coutinho e Nilton (Vas)

ATLÉTICO-PR 2×1 ATLÉTICO-GO – Arena da Baixada

GOLS: Paulo Baier e Wagner Diniz (CAP); Elias (ATL-GO)

GOIÁS 0x0 CEARÁ – Serra Dourada

Anúncios

Graças aos craques

In Brasileirão 2010, Palmeiras, SPFC on 29 de maio de 2010 at 22:49

4ª rodada – São Paulo 1×0 Palmeiras

Foto: Miguel Schincariol/Lance!

Fernandão marca, Rogério pega pênalti e o São Paulo vence o primeiro clássico em 2010.

Embalado, o São Paulo buscava sua primeira vitória em clássicos na temporada. Desfigurado, o Verdão de Jorge Parraga tentava manter o bom aproveitamento no Brasileirão.

No fim das contas, com brilho dos dois maiores diferenciais, o Tricolor conseguiu uma vitória magrinha, mas muito importante. Não apenas por ter sido a primeira diante de um grande rival, mas pela manutenção do ótimo momento vivido pelo time desde a chegada de Fernandão.

O camisa 15, por sinal, foi responsável por estufar as redes, aos 9 minutos da etapa complementar. Após jogada de Fernandinho, que substituiu o machucado Marlos ainda no primeiro tempo, Fernandão esticou o pé e abriu o placar.

Com poucas opções, o Palmeiras pouco conseguiu ameaçar a sólida defesa tricolor. A entrada de Souza na vaga de Cleiton Xavier, outro que sentiu dores no primeiro tempo, dificultou ainda mais a vida de Jorge Parraga.

As apostas nos garotos Vinícius e Gabriel Silva, titulares, não surtiram muito efeito. O atacante até vinha fazendo uma boa partida, mas acabou subtituído por Ivo, aos 22.

Depois dos 30, Paulo Henrique substituiu Souza e o Palmeiras partiu para o “tudo ou nada”. Mesmo sem um grande padrão, o time conseguiu criar duas boas chances.

Na primeira, Ivo recebeu na área, mas foi desarmado na bola por Cicinho. Há quem diga que o lateral são-paulino cometeu pênalti, mas o árbitro Marcelo Aparecido de Souza mandou seguir.

Pouco depois, aos 42, novo encontro entre Ivo e Cicinho, novamente sem falta. Não na visão do juizão, que marcou pênalti e deu amarelo ao lateral, que seria expulso no finzinho.

Na cobrança, o pesadelo recente dos palmeirenses reapareceu graças ao antigo ídolo dos são-paulinos. Ewerthon cobrou com força, mas Rogério Ceni saltou para o seu canto esquerdo e fez uma linda defesa, de mão trocada.

Em seguida, Richarlyson virou para o árbitro e desabafou, como se dissesse: ‘Invente quantos pênaltis quiser!’. O camisa 20 acabou advertido com cartão amarelo e está suspenso para a rodada do fim de semana.

Desanimado, o Verdão não conseguiu aproveitar o pouco tempo que restava.

Ao São Paulo, resta manter a pegada. Ao Palmeiras, correr atrás de reforços.

ATUAÇÕES – SÃO PAULO

01 Rogério Ceni Algumas defesas seguras e mais um pênalti defendido. Decisivo! NOTA DEZ

3 Alex Silva Como de costume, comandou a defesa em mais uma partida sem sofrer gols. NOTA 8,5

13 Xandão Seguro, não deixou o time sentir falta de Miranda. Ótima opção. NOTA 8,0

20 Richarlyson Outra atuação sem sustos. Não foi bem quando tentou se lançar ao ataque. NOTA 6,5

23 Cicinho Ainda está devendo. Continua tímido no apoio. O pênalti é duvidoso e a espulsão, consequentemente, é discutível. NOTA 5,5

2 Jean Menos tranquilo que Rodrigo Souto, errou alguns lances fáceis. NOTA 5,5

10 Hernanes Não manteve a média das últimas partidas e fez partida discreta. NOTA 5,5

16 Marlos Sofreu falta dura e saiu com dores no primeiro tempo. SEM NOTA

6 Júnior César Duelo equilibrado com Victor. Deu bom cruzamento para Fernandão, mas apareceu pouco. NOTA 5,5

25 Dagoberto Alguns bons lances, mas nada muito efetivo. NOTA 5,5

15 Fernandão Apareceu pouco até mostrar oportunismo e marcar o gol da vitória. NOTA 7,5

12 Fernandinho Fez ótima jogada no lance do gol, mas continua devendo inteligência em alguns lances. NOTA 6,0

7 Jorge Wagner Entrou para compor o meio-campo e dificultar uma possível pressão palmeirense. NOTA 5,0

Ricardo Gomes Manteve a equipe ideal e contou com a segurança defesa, além do brilho de Ceni e Fernandão, para vencer o primeiro clássico do ano. Boa aposta em Fernandinho na vaga de Marlos. NOTA 7,5

O primeiro empate

In Brasileirão 2010, Corinthians on 29 de maio de 2010 at 22:17

4ª rodada – Grêmio Prudente 2×2 Corinthians

Mano mexe no time, que continua jogando pro gasto e fica no empate.

O Timão entrou na rodada como a única equipe que ainda possuía 100% de aproveitamento, mas o técnico Mano Menezes sabia que a equipe, apesar das vitórias, ainda estava devendo.

No entanto, as mudanças feitas pelo treinador não foram suficiente para que a equipe melhorasse. Pelo contrário. Ainda menos agressivo que de costume, o Alvinegro dependia das bolas paradas para assustar o goleiro Márcio.

Pudera. No meio-campo, um trio de volantes composto por Ralf, Elias e Paulinho, que ganhou a vaga de Jucilei. Na frente, um trio ofensivo composto por Dentinho, Souza e Defederico, que reapareceu no time após um longo período afastado e, novamente, ficou devendo futebol.

Com sérios problemas de criação, o Alvinegro não conseguiu conter o ímpeto ofensivo dos donos da casa e saiu perdendo. Já aos 18 minutos, Wanderley aproveitou cruzamento de Wanderley e bateu de primeira: 1×0.

E poderia ser pior se o árbiro Paulo César de Oliveira tivesse visto o pênalti de Ralf em em Wesley, pouco tempo depois. O Corinthians também reclamou de um toque de Dênis em Paulinho, dentro da área, mas o juizão mandou o jogo seguir.

A arbitagem voltou a falhar no lance que originou o gol de empate do Corinthians. Após falta cruzada na área, Chicão pegou rebote em impedimento e iniciou a jogada que culminou na finalização de William, 1×1.

O gol animou o Coringão, que quase virou o jogo em mais um lance de William, que obrigou Márcio a fazer grande defesa.

Aos 44, no entanto, Diego cobrou falta e Felipe ficou sem reação. Prudente na frente de novo.

No segundo tempo, Mano Menezes foi expulso por reclamação, mas foi decisivou para o novo empate do clube.

Das tribunas, ele promoveu a entrada de Bruno César, aos 27 minutos, na vaga de Elias. Um minuto depois, o estrante bateu falta na área e Dênis marcou contra. O árbitro deu o gol para o corinthiano, que vibrou muito.

E foi por pouco que outra aposta de Mano não decidiu a partida. Jorge Henrique, que reclamou de não ter recebido explicações sobre a saída do time titular, entrou no lugar de Defederico e encontrou tempo para acertar a trave e assustar o goleiro Márcio.

Mas ficou nisso.

Jogando feio, o Alvinegro somou mais um pontinho fora de casa, mas precisa melhorar para sonhar com a conquista.

Vitória da seriedade

In Brasileirão 2010, Santos on 29 de maio de 2010 at 22:01

4ª rodada – Santos 3×1 Guarani

Foto: Ivan Storti/Lance!

Sem dancinhas, Santos sofre na Vila, mas vence o Guarani.

Ao contrário do duelo pela Copa do Brasil, quando venceu por incríveis 8×1, o Santos não teve vida fácil diante do Guarani, que aliás está com um time completamente diferente.

Sem Robinho, que já está com a Seleção na África do Sul, Dorival Júnior promoveu o retorno de Ganso, Neymar e André no time titular e o começo foi animador.

Logo na primeira oportunidade, Neymar avançou pela esquerda, cortou para o meio e bateu no contrapé do goleiro Douglas.

A torcida ainda se empolgou com um belo chapéu aplicado por Paulo Henrique, mas a magia acabou rápido e o Guarani cresceu na partida, criando diversas chances de empatar.

Primeiro, o veterano Baiano levou perigo em cobrança de falta cruzada. Felipe ainda teve trabalho num chute de Mazola, numa cabeçada de Paulo Roberto e numa tentativa de drible de Preto, após linda jogada do ataque campineiro.

De tanto pressionar, o gol finalmente saiu, aos 37, em bela cobrança de falta de Baiano.

Com razão, os santistas foram para o intervalo reclamando de um pênalti de Fabão em André, não marcado pelo árbitro Wilson Luiz Seneme.

No segundo tempo, o jogo ficou chato graças à falta de inspiração alvinegra. Satisfeito com o empate, o Guarani abdicou de atacar e acabou vacilando no final.

Aos 41, Léo fez boa jogada pela esquerda e cruzou na medida para Marcel cabecear e desempatar. Na comemoração, o atacante dedicou o gol a Dorival Júnior, que havia apostado nele poucos minutos antes, na vaga do apático Neymar, que passou a chamar a atenção apenas pelas novas trancinhas.

Com a porteira aberta, o Peixão ainda encontrou tempo para marcar o terceiro, com André, outro que apareceu com trancinhas no cabelo.

Jogando pro gasto e sem a alegria de sempre nas comemorações, o Peixe venceu, mas o episódio da balada ainda reflete na Vila…

Dupla afiada

In 'Vamo subir Lusa!', Lusa on 29 de maio de 2010 at 21:43

4ª rodada – Santo André 3×4 Portuguesa

Em noite de Héverton e Kempes, Lusa bate o Santo André em jogo cheio de gols.

De volta ao Bruno José Daniel, que havia sido interditado pela CBF, o Santo André ainda não conseguiu superar o desmanche pós-Paulistão e foi derrotado por uma valente Portuguesa.

Apesar das falhas defensivas, a Lusa mostrou que o torcedor pode sonhar com o acesso e confiar nos homens de frente. Principalmente em Héverton, que há tempos é destaque do time, e no novato Kempes, que já tem 4 gols na Série B.

O meia, aliás, estava suspenso pela expulsão no jogo contra a Ponte Preta, durante a Copa do Brasil 2010, mas sua pena foi convertida em doação de cestas básicas e ele esteve livre para atuar e ser extremamente decisivo na heroica virada lusitana.

Logo aos 10 minutos, os donos da casa já estavam em vantagem, graças ao golaço de bicicleta de Borebi.

Pouco depois, a Lusa começou a mostrar seu poder de reação e empatou, com Kempes, completando cruzamento de Athirson.

A Lusa melhorou com o gol, mas o bom goleiro Andrey vacilou, deu rebote e permitiu que Anderson Gomes recolocasse o Ramalhão em vantagem, aos 25.

De novo, a reação veio rápido. Novamente com Kempes, que aproveitou cruzamento de Fabrício, bateu de primeira e deixou tudo igual novamente.

No segundo tempo, a Lusa voltou com tudo e passou à frente logo aos 3 minutos, com Héverton, que converteu pênalti sofrido pelo inspirado Athirson. Aos 7, o camisa 10 marcou mais um, após outra jogada de Fabrício pela esquerda.

Aos 11, Borebi marcou o segundo dele e recolocou o Santo André na partida, mas o Ramalhão não conseguiu o empate, mesmo com as entradas do ofensivo Pio e do perigoso Richely, que veio do Goiás.

Com o ótimo resultado, a Lusa chegou aos 7 pontos e agora está na sexta colocação. Já o vice-campeão paulista continua com 4, em 15 º.

Resumo da 3ª rodada

In Brasileirão 2010 on 29 de maio de 2010 at 21:24

Foto: Alexandre Cassiano/O Globo

Após a terceira rodada do Brasileirão, o Corinthians é o único clube que mantém o aproveitamento máximo. Em jogo polêmico, o Alvinegro bateu o Fluminense e chegou aos 9 pontos, em primeiro lugar.

Destaque também para a bela vitória do Botafogo sobre o Goiás, que continua sem somar pontos e já aparece como fortíssimo candidato ao rebaixamento. Neste jogo, Caio e Herrera, atacantes do clube carioca, trocaram empurrões e foram expulsos. Que papelão!

Acompanhe a classificação do campeonato após a terceira rodada:

Corinthians – 9 pontos

Avaí – 7

Botafogo – 7

Palmeiras – 7

Ceará – 7

Atlético-MG – 6

Cruzeiro – 5

Guarani – 5

Flamengo – 5

Santos – 5

São Paulo – 4

Internacional – 3

Fluminense – 3

Grêmio Prudente – 3

Atlético-PR – 2

Grêmio – 1

Vasco – 1

Vitória – 1

Atlético-GO – 1

Goiás – 0

Sábado, 22 de maio

BOTAFOGO 3×0 Goiás – Engenhão

GOLS: Lúcio Flávio, Somália e Herrera

PALMEIRAS 4×2 GRÊMIO – Palestra Itália

GOLS: Ewerthon (2), Maurício Ramos e Cleiton Xavier (Pal); Jonas e Hugo (Grê)

ATLÉTICO-GO 1×2 SANTOS – Serra Dourada

GOLS: Wesley e Zé Eduardo (San); Boka (Atl)

Domingo, 23 de maio

CEARÁ 1×0 VITÓRIA – Castelão

GOL: Washington

ATLÉTICO-MG 3×1 ATLÉTICO-PR – Mineirão

GOLS: Muriqui, Diego Tardelli e Ricardinho (CAM); Bruno Mineiro (CAP)

INTER 0x2 SÃO PAULO – Beira-Rio

GOLS: Hernanes e Fernandão

CORINTHIANS 1×0 FLUMINENSE – Pacaembu

GOL: Chicão

FLAMENGO 3×1 GRÊMIO PRUDENTE – Maracanã

GOLS: Vágner Love (2) e Juan (Fla); Wanderley (Grê)

GUARANI 2×2 CRUZEIRO – Brinco de Ouro

GOLS: Roger (2) para o Guarani; Gil e Guerrón para o Cruzeiro

AVAÍ 2×0 VASCO – Ressacada

GOLS: Roberto e Róbson

Já vi esse filme

In Brasileirão 2010, Corinthians on 26 de maio de 2010 at 1:39

3ª rodada – Corinthians 1×0 Fluminense

Como na primeira fase da Libertadores, Timão joga feio e ganha bonito. Campanha, de novo, é perfeita.

Se falta vibração, alma e bola ao time do Corinthians, sobra eficiência.

Foi assim na ótima campanha durante a primeira fase, a melhor entre todos os participantes. Por enquanto, está sendo assim no Brasileirão, que não tem mata-matas como a competição sul-americana, para alegria da Fiel.

Diante de um adversário melhor tecnicamente, finalmente bem armado por Muricy Ramalho, o Coringão deu o golpe fatal logo aos 8 minutos do primeiro tempo, em cobrança de falta certeira de Chicão, que contou com a queda em câmera lenta do goleiro Rafael.

O lance da falta é duvidoso, já que Dentinho se atirou, como fez, aliás, durante toda a partida.

E essa não seria a única reclamação dos cariocas com a arbitragem. Aos 37 do primeiro tempo, Conca deixou Rodriguinho, ex-Santo André, na cara de Felipe. O assistente levantou a bandeira equivocadamente e o árbitro foi na dele.

Na segunda etapa, o Flu continuou pressionando e o árbitro Leonardo Gaciba chegou a marcar um pênalti de Felipe em Fred, aos 22 minutos, mas o auxiliar, dessa vez, acertou e fez com que o árbitro voltasse atrás, apesar de manter o cartão amarelo para o goleiro alvinegro.

O jogo ainda marcou a volta de Defederico e Tcheco, que estavam sumidos há algum tempo. No final, Paulo André substituiu Souza, que novamente jogou na vaga do contundido Ronaldo.

Sem brilho, com sofrimento, ajudinha do árbitro e eficiência, o Corinthians vai cumprindo à risca o objetivo de chegar à parada da Copa do Mundo na liderança.

Por enquanto, tem 100% de aproveitamento.

Ensaio

In Brasileirão 2010, SPFC on 26 de maio de 2010 at 1:23

3ª rodada – Internacional 0x2 São Paulo

Em Porto Alegre, Tricolor bate time misto do Inter na ‘prévia’ da semifinal da Libertadores.

O Inter que entrou em campo para enfrentar o São Paulo não é o mesmo que disputará uma vaga na decisão da Libertadores com o clube paulista.

Sem Nei, D’Alessandro, Andrezinho e Alecsandro (os três últimos entraram no segundo tempo), os gaúchos apostavam suas fichas no voluntarioso Everton e no promissor Walter para tentar pressionar a melhor defesa do país, que perdeu Miranda, com dores na panturrilha, aos 19. Xandão entrou e manteve o nível.

Como nos ótimos tempos, o Sampa deu a falsa impressão de estar sendo dominado e foi certeiro logo no primeiro tiro. Rogério Ceni já havia feito duas boas defesas quando Hernanes aproveitou rebote de falta mal cobrada por ele mesmo para abrir o placar, com singela colaboração de Abbondanzieri, aos 37.

Na segunda etapa, Jorge Fossati foi lançando mão dos titulares que tinha no banco e o Inter foi crescendo. Mas o consistente São Paulo voltou a tornar evidente um dos maiores trunfos que possui: o contra-ataque.

Aos 16, Hernanes tomou a bola, passou a Dagoberto, que devolveu para que o camisa 10 cruzasse para Fernandão marcar seu primeiro gol com a camisa são-paulina, justo contra seu ex-clube, no estádio em que tanto brilhou.

A partir daí, quando a defesa era batida, lá estava Rogério Ceni. E o São Paulo volta a crescer de um jeito assustador, apesar da inoportuna parada para a Copa do Mundo.

Vai manter o ritmo?

ATUAÇÕES

01 Rogério Ceni Fez quatro defesas difíceis e foi importantíssimo na manutenção do resultado. NOTA 8,5

3 Alex Silva Mais uma atuação impecável comandando a defesa, por cima e por baixo. NOTA 9,0

5 Miranda Jogou apenas 19 minutos e fez dois bons desarmes antes de sair machucado. NOTA 6,0

20 Richarlyson Novamente deslocado para a zaga, jogou sério e foi bem novamente. NOTA 7,5

23 Cicinho Definitivamente, não é o mesmo Cicinho de 2005. Mais preocupado com a marcação, não brilhou. NOTA 5,0

18 Rodrigo Souto Foi o rei dos desarmes no meio campo. Saiu com dores. NOTA 7,0

10 Hernanes Decisivo de novo, marcou mais um gol e deu uma assistência. NOTA 9,0

16 Marlos Mostrou habilidade, mas voltou a cometer um velho erro: optar sempre pela jogada mais difícil. NOTA 5,5

6 Júnior César Teve boa chance de marcar no primeiro tempo. De resto, foi discreto. NOTA 5,5

25 Dagoberto Guerreiro, ajudou no primeiro combate e armou o contra-ataque do segundo gol. NOTA 7,0

15 Fernandão Não brilhou muito com passes magistrais, mas foi muito importante na marcação, soube sair do isolamento e marcou na única chance que teve. NOTA 8,0

13 Xandão Entrou ainda na primeira etapa e manteve o bom nível de Miranda. NOTA 7,5

15 Jean Entrou no meio, teve trabalho na marcação e fez falta boba. NOTA 5,0

7 Jorge Wagner Pouco tempo, quase não apareceu. SEM NOTA

Ricardo Gomes Enfim, parece ter encontrado o time ideal. Foi criticado por parte da torcida quando escalou Richarlyson na zaga, mas o camisa 20 vai muito bem por aquele setor e estabilizou o time. Com a limpeza no elenco, deve ter um grupo fechado para buscar a Libertadores, mas não pode deixar a peteca cair com a parada. NOTA 8,5

Vitória comum

In Brasileirão 2010, Santos on 26 de maio de 2010 at 1:01

3ª rodada – Atlético-GO 1×2 Santos

Com ‘time comum’, Peixe vence a primeira no campeonato.

Os meninos da Vila aprontaram. Neymar, André, Ganso e Mádson saíram para comemorar o aniversário do baixinho, chegaram depois do horário estipulado e foram cortados do jogo.

Sem eles e com Robinho já integrado à Seleção Brasileira, Dorival Júnior mandou a campo um time que ele mesmo já adjetivou de ‘comum’.

Com Marquinhos, Zezinho, Zé Eduardo e Marcel compondo o quarteto ofensivo, as jogadas brilhantes ficaram de lado e deram espaço à dedicação e à objetividade.

No entanto, os visitantes sofreram no primeiro tempo, criaram pouco e ainda estiveram bem próximos de saírem perdendo, já que Thiago Feltri e Marcão tiveram ótimas oportunidades, na cara de Felipe.

No segundo tempo, o Peixão continuava sem brilho, mas conseguiu abrir o placar aos 20 minutos, com mais um belíssimo gol de Wesley, o melhor entre os coadjuvantes do time sensação do primeiro semestre. A assistência foi de Marquinhos, protagonista no mistão alvinegro.

Com a vantagem, Dorival Júnior queria velocidade e tirou Marcel para a entrada de Maikon Leite. Não demorou muito e o segundo gol saiu dos pés de Alex Sandro, que cruzou da esquerda e encontrou Zé Eduardo livre para marcar, aos 26.

Com a vitória assegurada e com um a mais em campo (o volante Agenor exagerou na dose e foi expulso), o Santos ainda se deu ao luxo de sofrer um gol, de Boka, já nos acréscimos da partida.

Mais burocrático que nunca, o Santos manteve o hábito e venceu. Dessa vez, sem show.

Volta molecada!

Doce despedida

In Brasileirão 2010, Palmeiras on 26 de maio de 2010 at 0:43

3ª rodada – Palmeiras 4×2 Grêmio

Na despedida do Palestra Itália, Verdão conquista boa vitória e confirma bom início.

Em clima de despedida, o Verdão do interino Jorge Parraga começou bem, tomou um susto, mas conseguiu uma ótima vitória sobre o Grêmio.

O duelo foi o último jogo de futebol realizado no Palestra Itália antes da reforma que derrubará o histórico e charmoso jardim suspenso e erguirá uma moderna arena no lugar. Além disso, a partida pode ter marcado a despedida do goleiro Marcos do estádio, já que ele deverá estar aposentado quando as obras forem concluídas.

Armado no 4-4-2, mas com muita força ofensiva pelas laterais, com Vitor e Armero, o Palmeiras não começou bem e chegou a ser pressionado pelos gaúchos, que tinham o importante desfalque do artilheiro Borges.

Depois de 15 minutos de tensão, o zagueiro Rodrigo protagonizou uma patacoada, caiu de maduro e ofereceu o primeiro gol do jogo a Ewerthon, após passe de calcanhar de Cleiton Xavier.

Auxiliado por Vinícius, bom substituto do demitido Robert, o camisa 88 do Verdão se destacou. Aos 29, marcou mais uma vez, em condição duvidosa, aproveitando rebote de Victor após chute de Vinícius. Dois minutos depois, no entando, a tensão voltou a tomar conta do jogo, já que Jonas chutou cruzado e diminuiu.

Marcos Assunção e Douglas se estranharam e foram expulsos, aos 45. No comecinho do segundo tempo, Hugo subiu mais que a defesa e desviou de cabeça para deixar tudo igual. Silêncio que poderia se transformar em vaia, mas virou apoio.

Com moral, o Verdão não se abalou e foi em busca do terceiro gol, que veio numa potente cabeçada de Maurício Ramos, aos 15.

Silas tentou colocar o Tricolor mais á frente, com a entrada de Maylson e William. Melhor em campo, o time da casa voltou a balançar as redes aos 25 minutos, com Cleiton Xavier aproveitando cruzamento rasteiro de Vinícius.

Contando com o apoio da torcida e com uma tranquilidade que há muito não se via, o Alviverde chegou aos 7 pontos na competição e despediu-se honrosamente do Palestra Itália, com um aproveitamento de 100% em dois jogos no BR-10.

Agora, a casa palestrina deve ser o Pacaembu. Vai manter a força?