Real JoBelo

Archive for março \31\UTC 2010|Monthly archive page

Não agradou?

In Paulistão 2010, Santos on 31 de março de 2010 at 17:32

17ª rodada – Santos 5×0 Monte Azul

Peixe não dá espetáculo, mas goleia com facilidade. Ganso faz golaço e Dorival diz que o time foi mal!

O Santos jogou mal.

Pelo menos essa é a visão do técnico Dorival Júnior após mais uma vitória avassaladora do Peixe, mais líder do que nunca, agora com 5 pontos de vantagem para o Santo André.

Realmente, o time não manteve o mesmo ritmo das últimas goleadas. A morte do avô de André parece ter abalado o grupo, que mesmo assim voltou a encher a rede adversária de gols. O ritmo alucinante e as dancinhas ficaram para uma próxima oportunidade…

Até por conta da fragilidade do adversário, os gols foram saindo em ritmo de treino, mesmo com o time da casa atuando em câmera lenta.

Marquinhos cobrou falta com perfeição e abriu o placar.

Pouco depois, o goleiro Luiz Carlos se atrapalhou e deu um passe para Ganso, que não teve pena do adversário e marcou um golaço por cobertura. Craque!

No segundo tempo, o meia voltou a mostrar toda sua qualidade, ao ignorar o bate-rebate cheio de caneladas dentro da área, girar e marcar o terceiro.

O quarto veio após mais uma falha do goleiro Luiz Carlos, que empurrou a bola para as redes após cobrança de escanteio de Marquinhos.

E ainda deu tempo de Maikon Leite sofrer uma tentativa de assassinato dentro da área para que André cobrasse o pênalti e pudesse homenagear o avô. Ele bateu, Luiz Carlos defendeu, mas o artilheiro não desperdiçou o rebote.

E ele ainda marcou mais um, anulado incorretamente pela arbitragem.

E assim, jogando ‘mal’, o Santos ganhou por 5×0. E, na verdade, foram 6!

Que fase!

Anúncios

Clássico – Atuações

In Corinthians, Paulistão 2010, SPFC on 31 de março de 2010 at 17:14

CORINTHIANS

Rafael Santos Quando foi exigido, falhou e complicou o jogo. NOTA 3,0

Moacir Não foi muito presente no ataque, mas levou a melhor sobre Fernandinho. NOTA 7,0

Paulo André Não viu a bola no primeiro e terceiro gols do Sampa. NOTA 4,0

William Atuação sem problemas. Desmontou a barreira são-paulina no gol de Roberto Carlos. NOTA 6,5

Roberto Carlos O melhor do Timão. Marcou um golaço, apareceu mais vezes com perigo e foi ótimo na marcação. NOTA 8,5

Ralf É um dos fortes candidatos a ser o ‘novo Cristian’. Odiado por todos, adorado pela Fiel. Muita raça! NOTA 7,5

Jucilei Outro que está caindo nas graças da galera. Comandou o meio-campo, com ótima marcação e boa chegada ao ataque. NOTA 7,5

Elias Carrasco do Tricolor, teve ótima atuação. Marcou muito, fez o seu gol e não deveria ter saído. NOTA 8,0

Danilo O torcedor são-paulino sentiu na pele o poder do ‘Rei dos Clássicos’. Que golaço! NOTA 8,0

Dentinho Vinha sendo o destaque do time até ser expulso por uma cotovelada maldosa em Washington. Precisa aprender a se controlar. NOTA 5,0

Ronaldo Com um toque, deixou Elias em ótimas condições para marcar. Só. NOTA 4,5

Tcheco Entrou num momento complicado do jogo, não soube ajudar a marcação e teve pouca efetividade na criação. NOTA 4,0

Jorge Henrique Jogou pouco e quase não tocou na bola. SEM NOTA

Iarley Que estrela! Tocou uma vez na bola e fez a jogada do gol da vitória. NOTA 7,0

Mano Menezes Mexeu muito mal no time e quase jogou a vitória no lixo. A entrada de Iarley foi providencial, mas se o adversário fosse outro, talvez a vitória não acontecesse. A zica está instaurada no Tricolor em jogos contra o Corinthians. NOTA 5,5

***

SÃO PAULO

01 Rogério Ceni Fez duas defesas fantásticas em chutes de William e Danilo, mas falhou feio no gol de Roberto Carlos. NOTA 5,0

2 Jean Teve imensas dificuldades na lateral. Apareceu bem para marcar o primeiro gol e melhorou quando foi para o meio. NOTA 6,0

3 Alex Silva Que hora para colocar a cabeça na bola, hein? NOTA 4,0

5 Miranda Falhou no gol de Danilo e não se destacou nos desarmes. NOTA 4,0

6 Júnior César Não teve problemas na marcação e jogou com raça, mas criou poucas situações de ataque. NOTA 6,0

18 Rodrigo Souto Protegeu bem a defesa e ainda marcou dois gols. NOTA 8,5

10 Hernanes Não foi brilhante, mas participou das principais jogadas ofensivas do São Paulo. Não merecia sair. NOTA 6,5

8 Cléber Santana Alterou bons lances com momentos de sonolência profunda. NOTA 5,5

27 Léo Lima Errou praticamente tudo que tentou. Pareceu displiscente em alguns momentos e saiu no intervalo. NOTA 3,5

25 Dagoberto Fez uma linda jogada no gol de Jean, mas poderia ter sido mais incisivo. NOTA 7,0

9 Washington Foi expulso injustamente, mas poderia ter se controlado. NOTA 3,5

12 Fernandinho Sofreu as faltas que originaram os dois gols, mas foi anulado por Moacir e ainda cedeu o contra-ataque que originou o gol da vitória alvinegra. Lamentável. NOTA 3,0

23 Cicinho Entrou muito bem e deu trabalho para Roberto Carlos, que estava soberano até então. Deu uma assistência e reclamou da reserva… NOTA 7,0

16 Marlos Entrou no fim e não teve a estrela de Iarley. SEM NOTA

Ricardo Gomes Suas mexidas deram resultado, pois o time melhorou, mas faltou vibração. Poderia ter mantido Hernanes e tirado Cléber Santana. O time precisa ganhar um clássico, senão sua situação pode ficar complicada. NOTA 5,5

Contratou melhor?

In Corinthians, Paulistão 2010, SPFC on 31 de março de 2010 at 16:51

17ª rodada – Corinthians 4×2 São Paulo

Com falhas de Fernandinho e Alex Silva, que interessavam ao Timão, São Paulo perde no último minuto do jogaço no Pacaembu. A freguesia continua.

No dia de sua apresentação, o atacante Fernandinho, com convicção, falou o seguinte: ‘O São Paulo se reforçou melhor que o Corinthians, porque me contratou’.

Alguns meses depois, no primeiro encontro entre as duas equipes em 2010, o são-paulino teve atuação sofrível e desperdiçou o contra-ataque que acabou resultando no gol contra de Alex Silva, que definiu a vitória corinthiana e manteve um tabu de 9 jogos.

O Pirulito, aliás, também interessava ao Corinthians, mas quis voltar ao Morumbi. A Fiel não deve estar chateada com a preferência do zagueirão…

São três importantes pontos que, além de manterem o Timão na briga pela classificação, premiam a equipe mais ousada e vibrante, que demonstrou vontade de vencer, até pela necessidade.

Do outro lado, um São Paulo frio e nem tão calculista assim, que só acordou quando o rival já vencia por 2×0, com lindos gols de Elias e Danilo.

Antes disso, Rogério Ceni já havia visto a bola explodir na trave duas vezes no mesmo lance e feito uma defesa espetacular na sequência da jogada.

Motivo mais do que suficiente para irritar o isolado Washington e fazê-lo chegar mais firme em Dentinho, o melhor corinthiano em campo até os 37 do primeiro tempo, quando foi expulso após dar uma cotovelada no nariz do camisa 9, que também recebeu o cartão vermelho, injustamente.

Cinco minutos mais tarde, Dagoberto finalmente encaixou um drible  pela esquerda e serviu Jean, que fugiu da marcação implacável de Roberto Carlos para diminuir o marcador e colocar fogo no jogo.

Fernandinho entrou no lugar de Léo Lima no intervalo e a esperança dos são-paulinos era ver a equipe sufocando o adversário. Mas Rogério Ceni engoliu um peru na falta bem cobrada por Roberto Carlos, logo aos 7 minutos.

Resolvido? Que nada!

No último lance antes de ser substituído por Cicinho, Hernanes bateu falta que Rafael Santos largou nos pés de Rodrigo Souto, 3×2.

Mano errou ao tirar o carrasco Elias e apostar em Tcheco, tentou consertar com a entrada de Jorge Henrique no lugar do esgotado Danilo, mas não adiantou.

Em outra falta próxima à área, Cicinho levantou para Rodrigo Souto, que aproveitou mais uma falha de Rafael e deixou tudo igual.

Com o jogo mais aberto do que nunca, os dois técnicos fizeram suas últimas apostas. Gomes colocou Marlos na vaga de Dagoberto; Mano tirou o apático Ronaldo e promoveu a entrada de Iarley em seu lugar.

Mais inteiro, o São Paulo rondou perigosamente a área do goleiro Rafael, até o decisivo momento de indecisão de Fernandinho, que forneceu o precioso contra-ataque ao adversário. Alex Silva testou contra o patrimônio após cruzamento de Iarley.

Festa corinthiana e tristeza são-paulina.

Não anda sendo novidade. Mas foi histórico.

E, finalmente, os clássicos paulistas estão valendo a pena.

Outra decepção

In Palmeiras, Paulistão 2010 on 31 de março de 2010 at 16:17

17ª rodada – Palmeiras 1×1 Mirassol

Sem chances de classificação, Verdão fica só no empate com o Mirassol, em casa.

Num jogo que seria tranquilo em condições normais, o Palmeiras voltou a decepcionar no Palestra Itália e não passou de um empate com o Mirassol.

A fase é tão ruim que a equipe comandada por Antônio Carlos Zago ocupa apenas a décima colocação do Paulistão. Isso mesmo, a DÉCIMA colocação, com 11 pontos a menos que o líder Santos, derrotado pelo mesmo Palmeiras há alguns dias. Vai entender…

E apesar de dizer que pegou o bonde andando e não tem culpa no cartório, o treinador do Verdão contribuiu e muito para mais um vexame caseiro, com substituições incompreensíveis.

O time vencia por 1×0, gol marcado por Robert, em cobrança de pênalti sofrido por Cleiton Xavier ainda no primeiro tempo, quando o professor resolveu ‘administrar o resultado’. Ele trocou o atacante Vinícius pelo zagueiro Maurício Ramos, que não entrava em campo há muito tempo.

Resumo da ópera: o Mirassol, 17º colocado, empatou o jogo com Pablo Escobar.

Para completar, Zago tirou Robert e colocou o jovem Joãozinho em seu lugar. Sem um atacante de referência e, pior, sem o meia Cleiton Xavier, que saiu com dores na coxa, os donos da casa pouco assustaram.

Enquanto isso, a torcida protestava de todas as maneiras, dentro e fora do estádio. Válido.

Só não poderiam haver ofensas pessoais e ameaças de morte ao presidente Luiz Gonzaga Belluzzo…

Eu tô tranquilão

In Paulistão 2010, Santos on 27 de março de 2010 at 13:29

16ª rodada – Botafogo 2×4 Santos

Em jogo difícil, Peixe mantém ótima média de gols e vence mais uma. Classificação já está garantida!

Pelo que o Santos está jogando, a classificação às semifinais até demorou para se confirmar, mas ela veio no difícil duelo com o Botafogo, em Ribeirão Preto.

Novamente sem Neymar e Robinho, Dorival Júnior apostou numa defesa mais protegida, com a volta de George Lucas pela direita e a manutenção de Rodrigo Mancha ao lado de Arouca no meio-campo. Com liberdade para o ataque, Marquinhos e Ganso tinham a missão de decidir. E assim foi feito.

Logo aos 8 minutos, Paulo Henrique balançou as redes do goleiro Wéverton, mas o auxiliar Daniel Paulo Ziolli marcou impedimento equivocadamente. O craque do Peixe não se abalou, continuou distribuindo ótimos passes e foi premiado aos 41 minutos, com um belo gol após passe de Arouca. Dessa vez valeu!

O Santos deu pinta de que poderia deslanchar na partida, mas Edu Dracena cometeu mais um pênalti e Ademir Sopa deixou tudo igual.

Na segunda etapa, o Santos voltou a estar na frente, com um gol meio sem querer de Marquinhos, aos 12. Mas a defesa dormiu de novo e, logo na sequência, Adriano voltou a empatar.

Problema? Que nada! Menos de cinco minutos depois, Marquinhos voltou a aparecer e, usando a cabeça, recolocou o Peixe em vantagem.

Dorival, a fim de segurar o resultado positivo, promoveu a estreia do volante Rodriguinho no lugar de Marquinhos. Roberto Brum entrou na vaga de George Lucas para segurar o ímpeto botafoguense por aquele setor e, como não poderia deixar de ser, o talismã Zé Eduardo entrou na vaga de Mádson, para o caso de sobrar uma bola…

E foi o que aconteceu! O atacante mostrou que tem estrela e marcou um bonito gol, para decretar mais um resultado positivo, aos 44 do segundo tempo.

No embalo do funk, ritmo preferido de Neymar e André, o Peixe garantiu a classificação e já pode dizer: ‘Eu tô tranquilão! Eu tô na semi, dando show no Paulistão!…’

Quem vai segurar?

Velocidade e ineficiência

In Paulistão 2010, SPFC on 27 de março de 2010 at 13:13

16ª rodada – Bragantino 1×0 São Paulo

Com Marlos e Dagoberto no ataque, Tricolor joga com velocidade, mas perde para o Bragantino. O que vale mais?

Em tempos de molecagens no futebol, principalmente na Vila Belmiro, a pergunta que não cala é: o que vale mais? Jogar um futebol vistoso ou atingir os resultados positivos?

Nas últimas semanas, o torcedor são-paulino andava meio ressabiado e exigia melhoras do time, que vinha vencendo, mesmo jogando feio.

No duelo contra o Bragantino, Ricardo Gomes deu um descanso para Washington e escalou Marlos ao lado de Dagoberto no ataque. Mais veloz e incisivo do que o normal, dá até para considerar que o São Paulo apresentou um futebol mais bonito. Mas faltou o gol…

Marlos, mais uma vez, fez tudo certo até a hora da finalização. Jorge Wagner e Léo Lima perderam oportunidades claras de gol e até Marcelinho, que entrou ligado no segundo tempo, deu trabalho para o goleiro Gilvan.

A torcida até sentiu falta do Coração Valente, autor de 10 gols na temporada.

Quem diria? O São Paulo jogando com velocidade e sem Washington… É o cenário considerado ideal por muitos torcedores tricolores. A prática mostrou que isso é algo inviável. O W9 é titular absoluto! Roger, que substitui Dagoberto, não fez nem cócegas na defesa de Bragança.

E se a bola não balançou as redes pelo lado são-paulino, os donos da casa conseguiram a proeza de marcar um gol na melhor defesa do campeonato, com Maurício, que complementou de cabeça após cobrança de escanteio.

Contra o Timão, Pirulito, Cléber Santana e Washington, que fizeram uma falta danada, principalmente o camisa 9, estarão de volta.

Uma vitória deixará a classificação engatilhada. Já uma derrota…

A torcida, provavelmente, nem vai se importar com o pragmatismo. Bastam os três pontos!

ATUAÇÕES

01 Rogério Ceni Das duas bolas que passaram por ele, Miranda salvou uma em cima da linha. Na cabeçada de Maurício, não teve jeito…NOTA 5,5

2 Jean Sofreu na marcação e foi pouco efetivo no ataque. NOTA 4,5

4 André Luís Não manteve o nível do Pirulito e mostrou que não está tão mudado assim ao dar uma cabeçada no adversário no fim do jogo. NOTA 4,5

5 Miranda Salvou uma bola em cima da linha, mas ficou pregado no chão no lance do gol. NOTA 6,0

6 Júnior César Dividindo a responsabilidade com Jorge Wagner, avançou menos pelo lado esquerdo. Na marcação, teve pouco trabalho. NOTA 5,5

18 Rodrigo Souto Fez o seu papel na saída de bola, sem comprometer. NOTA 6,0

10 Hernanes Acertou uma bola na trave, mas criou muito pouco. Vai chamar a responsabilidade no clássico? NOTA 4,5

7 Jorge Wagner Por alguns momentos, foi o mais lúcido do time, com boa participação nas jogadas ofensivas. NOTA 6,5

27 Léo Lima Deixou muito a desejar. Pareceu displiscente em alguns momentos. NOTA 4,5

16 Marlos Está mais confiante, sem medo de partir pra cima. Mas falta finalizar melhor… NOTA 6,5

25 Dagoberto Outro que demonstrou velocidade e criatividade. A parceria com outro velocista pode dar resultado se o time tiver uma referência. Saiu para a entrada de Roger. NOTA 6,0

11 Marcelinho Entrou disperso, mas percebeu que estava devendo e demonstrou mais raça. Quase fez um belo gol. NOTA 6,0

19 Roger Que ele é esforçado, ninguém duvida. Mas não vem demonstrando condições de brilhar com a camisa tricolor. Quase não tocou na bola em mais de 25 minutos em campo… NOTA 4,0

Ricardo Gomes Poupou titulares para o clássico e fez um teste, com dois velocistas no ataque. Ao que parece, não dá para jogar sem uma referência. Errou ao tirar Dagoberto para a entrada de Roger, que foi peça nula. Um empate, no entanto, seria mais justo. NOTA 5,0

Carrasco tricolor

In Corinthians, Paulistão 2010 on 27 de março de 2010 at 12:45

16ª rodada – Corinthians 0x1 Paulista

Às vésperas do clássico, Timão perde para o tricolor Paulista, com gol de Mazola, que pertence ao São Paulo. Ronaldo perde a cabeça com a Fiel.

Com um time reserva reforçado por Roberto Carlos e Ronaldo, o Timão foi derrotado pelo Paulista de Jundiaí, em Barueri, e saiu do G4 do Campeonato Paulista graças à vitória da Lusa, que assumiu a quarta colocação.

Jogando um futebol burocrático, o Corinthians só conseguiu levar perigo ao goleiro Vinícius uma única vez no primeiro tempo, com Roberto Carlos cobrando falta de longa distância. A bola explodiu no travessão e o golaço não saiu.

Na segunda etapa, o time melhorou sensivelmente com a entrada de Jucilei no lugar de Tcheco. Com a bola dominada no campo de ataque, as oportunidades aconteceram, mas a noite do Fenômeno estava longe de ser fenomenal.

O camisa 9 perdeu gols incríveis, finalizou bolas de maneira ridícula e errou até os domínios mais simples. Foi uma de suas piores atuações com o manto alvinegro e a Fiel não perdoou. Após a partida, Ronaldo foi xingado por um grupo de torcedores, perdeu a cabeça e mostrou-lhes o dedo médio. Uma atitude que já representou o fim de muitas histórias de sucesso no clube. Vide o argentino Carlitos Tevez…

Para piorar, a derrota às vésperas do Majestoso foi decretada por um são-paulino. Mazola, que está emprestado pelo Tricolor, aproveitou rebote de Felipe após chute de Barboza e definiu o placar: 1×0!

Se perder domingo, a classificação pode se esvair pelo ralo. E a Fiel, que já não anda muito satisfeita, não deve ser compreensiva…

Acabou

In Palmeiras, Paulistão 2010 on 27 de março de 2010 at 12:28

16ª rodada – Rio Branco 2×2 Palmeiras

Contra o lanterna do campeonato e em campo neutro, Verdão tropeça novamente e, definitivamente, dá adeus ao Paulistão.

Na nova Fonte Luminosa, em Araraquara, o Palmeiras não passou de um empate diante do Rio Branco, que iniciou a rodada na última colocação do Paulistão.

Com o resultado, o time do Parque Antártica ficou com 23 pontos, cinco a menos que a Portuguesa, quarta colocada. Restam 9 em disputa. Ficou muito difícil…

E olha que, desta vez, o Alviverde teve lampejos de bom futebol e chegou a animar o seu torcedor no princípio do jogo. Pressionando e sem ser incomodado, a impressão que se tinha era de que uma goleada estava por vir, ainda mais quando Cleiton Xavier deu lindo passe para Diego Souza abrir o placar, logo aos 17.

A galera queria mais, Antônio Carlos queria mais, Marcos queria mais…

Mas inexplicavelmente, o time recuou, passou a assistir o toque de bola do adversário e sofreu dois gols em quatro minutos. Em duas falhas do setor esquerdo da defesa, Alex Terra e Romarinho viraram o jogo, aos 20 e aos 23 minutos, respectivamente.

Atrás no placar, o Palmeiras voltou a mostrar que é mais time e logo conseguiu o empate, com Ewerthon, após boa ajeitada de Robert.

No intervalo, Zago apostou na lucidez de Lincoln, no lugar do ‘ambidestro’ Eduardo, que mesmo jogando como lateral direito, só fazia cruzamentos com a perna esquerda. Márcio Araújo passou a cobrir o lado direito.

A boa entrada do meia, no entanto, não fez com que o jogo ofensivo do time fluísse. Cansado, Ewerthon deu lugar a Lenny, que não manteve o mesmo nível do companheiro. Por fim, o garoto Vinícius, promessa de apenas 16 anos, entrou na vaga de Robert e até fez algumas boas jogadas, mas não conseguiu mudar a história do jogo.

Por incrível que pareça, parte da torcida ainda teve coragem de pegar no pé do menino após um passe errado… Que fase!

No fim das contas, o Rio Branco acabou saindo satisfeito com o empate. Já a situação do Verdão foi muito bem diagnosticada pelo recém-chegado Lincoln, em entrevista após o jogo:

‘Jogando desse jeito, não merecemos disputar as semifinais’.

Não merece a não vai mesmo disputá-las. Esse time pode mais, muito mais.

Ele não aguenta mais

In Palmeiras on 24 de março de 2010 at 17:25

É inegável. Marcos é o jogador que mais sofre com os maus resultados do Palmeiras.

O goleirão já deu diversas declarações polêmicas depois de derrotas, mas ultimamente anda estrapolando.

Desde a lastimável reta final do Brasileirão do ano passado, o capitão não anda poupando os companheiros das críticas. Este ano, já falou até em aposentadoria no fim da temporada.

No início da semana, Marcos não escondeu a irritação durante o treino, orientou os companheiros efusivamente, distribuiu palavrões e…não foi ouvido.

Resultado: após seu time sofrer um gol no treinamento, justamente por vacilo na marcação pela direita, que Marcos tanto chamava atenção, o goleiro colocou a mão na virilha e abandonou a atividade. Depois, declarou ao site oficial do clube que realmente ficou irritado com os companheiros (leia-se Diego Souza), mas que não vê nada de errado nisso.

Chegou-se a cogitar que o goleiro encerraria a carreira imediatamente, mas isso não irá acontecer e nem sequer foi cogitado pelo arqueiro.

Mas isso não é normal, como disse o jogador. Se você, Marcos, não mantiver o controle e não mantiver a cabeça no lugar, quem irá fazê-lo?

O Palmeiras precisa de você.

Cirque du Soleil

In Paulistão 2010, Santos on 24 de março de 2010 at 17:13

15ª rodada – Santos 9×1 Ituano

Com Neymar nos EUA e Robinho na arquibancada, Peixe dá mais um espetáculo circense dentro de campo e humilha o Ituano.

A cada dia que passa, o Santástico passa por cima de qualquer dúvida que possa pairar sobre o verdadeiro potencial desse time.

Sem Robinho e Neymar, muitos imaginavam que a zebra poderia passear pelo Pacaembu. E logo no primeiro lance do jogo, João Leonardo abriu o placar para os visitantes.

Seria a prova de que o time não é tão forte sem os dois craques? Nada disso.

Outro craque, talvez o principal deles, estava em campo e disposto a decidir: Paulo Henrique Ganso!

Aos 14 minutos, o meia levantou na área e o artilheiro André mergulhou para empatar.

Juninho Paulista chegou a acertar uma bola na trave e assustar o Peixe, que viraria o placar de qualquer maneira. O meia Carlos Eduardo resolveu facilitar e foi expulso ainda aos 26 minutos. Aos 27, na cobrança da falta, Marquinhos cruzou para Ganso, que marcou de cabeça e abriu de vez a porteira.

Aos poucos, a vitória foi se transformando em show. Ainda no primeiro tempo, virou goleada, com mais um gol de André e outro de Mádson.

E haja comemorações criativas. Destaque para a novíssima ‘Estátua da Liberdade’, em homenagem ao ‘turista’ Neymar, que disputou amistoso contra o Red Bull, nos EUA.

Na segunda etapa, já com Robinho na arquibancada, o show prosseguiu. Aos 8 minutos, Mádson marcou o quinto num rebote de falta cobrada por ele mesmo.

E Dorival Júnior seguiu incentivando o ataque. O lateral esquerdo Pará já havia sido substituído por Zé Eduardo e o professor apostou também no atacante Maikon Leite, no lugar do volante Arouca. Poucos minutos depois, viu o jovem marcar o sexto.

Aos 28, mais um de Paulo Henrique, que passeou pela área adversária com incrível facilidade.

O oitavo foi do talismã Zé Eduardo, numa falha incrível do goleiro Saulo, o mesmo que defendia a meta santista na fatídica derrota por 7×1 para o Corinthians, em 2005. E o arqueiro ainda conseguiu ser expulso após cometer pênalti em Maikon Leite.

Com um zagueiro no gol, André marcou o terceiro dele na partida, o décimo quinto na temporada. É o maior artilheiro do Brasil em 2010! Pudera. Em 18 jogos, o Santos já balançou as redes adversárias 60 vezes!

Com toda certeza, o torcedor que deixou de ir ao espetáculo do ‘Cirque du Soleil’, que está em São Paulo, e foi ao Pacaembu ver o show do Peixe, não se arrependeu.

Suspenso, Neymar não enfrentará o Botafogo-SP, na quinta-feira. Robinho, ainda com dores, também está vetado.

E daí?

Não é nenhum absurdo esperar por mais uma goleada santástica!

Quem segura?