Real JoBelo

Xiii, Felipão

In Brasileirão 2010, Palmeiras on 21 de julho de 2010 at 16:48

9ª rodada – Avaí 4×2 Palmeiras

Na estreia de Felipão, Palmeiras esbarra na boa fase do Avaí e perde na Ressacada

Luiz Felipe Scolari finalmente estreou no comando técnico do Palmeiras. Depois da ótima vitória sobre o Santos, com Murtosa no banco, a expectativa da torcida alviverde para o retorno oficial do ídolo não poderia ser melhor. No entanto, o Avaí fez valer a boa fase e, depois do São Paulo, derrotou mais um clube paulista.

Armado com Pierre, Marcos Assunção e Márcio Araújo na proteção da zaga, o Verdão apostou no avanço dos alas para atacar o time da casa. A estratégia deu certo no início, já que a equipe povoou o campo de ataque e abriu o placar com um dos laterais: Gabriel Silva, aproveitando rebote do goleiro após falta cobrada por Assunção.

Tudo parecia tranquilo para o Palmeiras, até que Caio deixou tudo igual aos 23 minutos, em jogada individual. Logo depois, Kleber teve ótima chance de recolocar os paulistas em vantagem, mas Patrick salvou em cima da linha. Quem não faz… Logo na sequência, Robinho virou o jogo.

O momento pareceu melhor novamente para o Palmeiras quando Leonardo Gaciba expulsou Pará, após falta dura em Márcio Araújo, ainda na primeira etapa. Com um a mais, os visitantes foram para o ataque e chegaram ao empate em cobrança de pênalti de Kléber. Quem diria? Um dos times que mais erra pênalti no futebol mundial acertou o pé. Sinal que que a fase após a chegada de Felipão mudou mesmo…Certo? Errado.

No melhor momento palmeirense na partida, a torcida exagerou na festa pelo empate, acendeu muitos sinalizadores e o jogo teve de ser paralisado em razão da grande quantidade de fumaça.  Na volta, os comandados de Felipão não viram a cor da bola.

Depois de acertar o travessão de Deola, Roberto sofreu pênalti de Léo, que acabou expulso. Na cobrança, o arqueiro palmeirense defendeu o chute de Caio, mas ele próprio pegou o rebote e balançou as redes. No fim, Deola saiu da área e acabou driblado por Roberto, sempre ele, e viu o adversário marcar o quarto gol dos catarinenses, definindo o placar.

Os palmeirenses chegaram a culpar a paralisação da partida pelo revés. A equipe realmente voltou muito mal e foi dominada pelos donos da casa mesmo em vantagem numérica.

Fato é que Felipão parece ter trabalho…

Carlitos voltou?

In Brasileirão 2010, Corinthians on 21 de julho de 2010 at 16:31

9ª rodada – Corinthians 1×0 Atlético-MG

Timão sofre, mas bate o Atlético-MG graças ao ‘novo Carlitos’ e se isola na liderança.

O Corinthians encontrava dificuldades e era pressionado quando ele cortou para a perna esquerda, arriscou de fora da área e, contando com um desvio providencial da zaga, abriu o placar para o Corinthians, líder do Brasileirão.

A cena descrita a cima poderia facilmente ser atribuída a Carlitos Tevez, que tantas vezes salvou o Timão na campanha do título nacional em 2005. No entanto, o personagem da vez é Bruno César, principal destaque do Alvinegro na competição.

Apelidado de “Tevez do ABC” em seu ex-clube, o Santo André, pela semelhança física com o argentino, Bruno está no caminho certo para conquistar a Fiel: em seis jogos, marcou quatro gols. Um deles foi numa goleada contra o Santos, outro colocou o time na liderança isolada do torneio. Não tinha como ser melhor.

Na verdade, tinha. O Corinthians começou o jogo partindo para cima do Atlético-MG e, logo aos dois minutos, Werley derrubou Dentinho na área. Pênalti batido e desperdiçado por Chicão, que errou o alvo e mandou à esquerda de Fábio Costa.

Os próprios jogadores da equipe paulista reconheceram que a história do jogo poderia ter sido outra em caso de gol logo no princípio.

Sempre mais presente no campo de ataque, o Corinthians tinha grandes dificuldades para criar grandes lances. O Atlético, por sua vez, conseguia chegar com perigo. No fim do primeiro tempo, Neto Berola acertou o travessão após cruzamento de Leandro. Na segunda etapa, Ricardo Bueno disparou sozinho por duas vezes, mas falhou na finalização.

Depois do gol, o Galo voltou a partir para cima e tentar pressionar os donos da casa. A chance veio, mas Júlio César fez excelente após mais uma tentativa frustrada de Ricardo Bueno, agora com a cabeça.

Sem brilhar desta vez, o Timão chegou aos 21 pontos, dois a mais que o Fluminense. No embalo do ‘novo Carlitos’, que vai conquistando a galera apesar de jogar em outra posição e não ter a qualidade técnica do argentino, o Corinthians vai entrando firma na briga por um título no ano do centenário.

Tensão na Vila

In Brasileirão 2010, Santos on 21 de julho de 2010 at 16:14

9ª rodada – Santos 0x1 Fluminense

Foto: Douglas Aby Saber/AE

Santos volta a perder em dia de desentendimento entre Robinho e Wesley. Flu é vice-líder.

O Santos perdeu pela segunda vez em seu segundo jogo depois da parada da Copa do Mundo. A tensão ronda a Vila Belmiro às vésperas da grande final da Copa do Brasil, contra o Vitória.

Depois do Palmeiras, agora o algoz foi o Fluminense, em plena Baixad Santista. A equipe praiana não jogou mal, dominou o jogo e criou as melhores chances para abrir o placar, mas acabou levando um gol no contra-ataque e perdendo o jogo.

O grande problema foram as atuações dos jogadores diferenciados da equipe. Robinho voltou, Ganso atuou desde o início e Neymar também esteve em campo. Nenhum deles conseguiu brilhar. Para piorar, Neymar acabou substituído novamente. Desta vez não houve reclamação.

André, já negociado com o futebol ucraniano, é outro que ainda não voltou a mostrar seu faro de gol depois do Mundial e acabou substituído por Marcel, que aliás está ganhando espaço com o treinador. Nesta partida, ele acertou uma pancada no travessão e por pouco não espantou a pseudo-crise.

O Fluminense, agora vice-líder da competição, não tem nada a ver com os problemas santistas. Bem ao estilo Muricy, a equipe se segurou na defesa, saiu em velocidade e definiu a vitória com um gol de Alan, aos 32 minutos do segundo tempo: 1×0. Olho no Fluzão!

Já aos santistas deve-se pedir calma. A pequena série de derrotas fez com que muitas pessoas culpassem a marra de Neymar e o assédio da galera aos jovens. Esqueceram que o garoto foi campeão paulista e ajudou a levar o clube à final da Copa do Brasil mesmo com essa marra toda?

A briga entre Robinho e Wesley, que ganhou o noticiário nos últimos dias, também não parece ter sido nada grave. Claro que o celular do volante e o retrovisor do atacante, vítimas do desentendimento, serão substituídos com facilidade. O Santos não perdeu por isso.

Falta a equipe o mesmo ritmo de jogo do início da Copa e um pouco mais de malícia para fugir da marcação. Ou voc~es achavam que, depois de um primeiro semestre encantado, a garotada teria moleza diante dos marcadores? Diguinho que o diga.

“Eles são jogadores rápidos e a gente acaba tendo de parar as jogadas com faltas e recebendo o cartão amarelo. Consegui me controlar para continuar em campo até o fim e conquistar mais uma vitória importante”, disse o volante do Fluminense, principal responsável pela marcação dos homens de frente santistas.

Calma, torcedor. O Peixe vai melhorar.